Lâmpada Incandescente » tipos, características



Com certeza você já ouviu falar das lâmpadas incandescentes e pode até mesmo ter uma em casa. Mas você sabia que essas lâmpadas estão saindo completamente de linha? Sabe por que isso está acontecendo? Não? Então vamos descobrir juntos porque essas peças estão saindo do mercado.

Comecemos por entender o que são as lâmpadas Incandescentes…

Lâmpada incandescente comum, de bulbo e27

Lâmpada incandescente comum, de bulbo e27

O que são?

Elas são os modelos de lâmpadas mais antigos, e todos nós já tivemos ou ainda temos em casa. Essas lâmpadas gastam muita energia para produzir pouca luz e muito calor, apenas 5% da energia elétrica que é consumida é convertida em luz, sendo os restantes 95% transformados em calor. Ou seja, é um gasto imenso para pouca luz, além do que essas peças aquecem demasiado o ambiente.

A temperatura de cor agradável ainda estimula o uso da lâmpada em abajures e luminárias

A temperatura de cor agradável ainda estimula o uso da lâmpada em abajures e luminárias

Elas tanto são usadas em residências como em pontos comerciais, para iluminação geral dos espaços, sendo instalada em pendentes, lustres, etc. Também pode ser utilizada como iluminação decorativa em abajures, luminárias de piso, etc. Além do que esta é a iluminação mais encontrada em eletrodomésticos como fogões e geladeiras.

Performance da Lâmpada Incandescente

Como mencionado anteriormente, a lâmpada incandescente é a menos eficiente energeticamente quando comparamos todos os tipos de lâmpadas tradicionais. Mas porque ainda é tão utilizada?

Por vários motivos. Apesar do consumo excessivo de energia, a performance visual da incandescente é muito boa. Ela possui uma temperatura de cor bem quente, isto é, produz uma luz amarelada, que é bastante agradável e aconchegante. Além disso, possui um índice de reprodução de cores de 100%, sendo ótima para serviços que exijam performance visual, mas acima de tudo, ela é muito barata: Uma lâmpada de 100W não chega a custar nem R$ 3,00

Lâmpadas incandescentes saindo do mercado brasileiro, isso é verdade?

Sim! Uma norma em vigor desde o mês de julho de 2014 proíbe a produção e a importação de lâmpadas incandescentes com potências de 61 a 100 watts. Os produtores que já tem essas peças em estoque têm até o final do ano, mês de dezembro, para comercializar esses produtos.

A lâmpada incandescente de 60W ainda é a mais usada devido a seu baixo custo

A lâmpada incandescente de 60W ainda é a mais usada devido a seu baixo custo

Mas por quê?

O principal motivo que levou a retirada dessas lâmpadas do mercado é o alto consumo de energia pelas mesmas, ou seja, elas têm um baixo nível de eficiência energética.

E a intenção dessa proibição é priorizar a diminuição do gasto de energia, principalmente nos dias de hoje, onde há uma alta escassez de chuvas e os reservatórios ficam, por isso, com níveis muito baixos, dificultando a produção de energia.

Apesar de ser o modelo de lâmpada mais barata disponível no mercado, o prejuízo vem na conta de luz. Um pequeno exemplo é uma pessoa que tem 10 lâmpadas incandescentes na sua residência. Ao mudar para um modelo mais econômico, como por exemplo, lâmpadas de LED, esse consumidor economiza cerca de R$ 200,00 por ano. Incrível não é mesmo?

Além do que, a durabilidade das lâmpadas incandescentes é bem menor se comparada com qualquer outro modelo.

Ou seja, você paga mais caro na conta de energia, produz mais calor do que luz na sua casa e ainda troca mais vezes de lâmpada do que o suposto, com a utilização de outros modelos mais econômicos. Só desvantagens!

As opções que restam

Depois dessa proibição os consumidores têm agora três opções: A Halógena, a Fluorescente e a de LED. Todas elas com um custo de aquisição maior que as lâmpadas incandescentes, porém com uma redução no gasto de energia elétrica e maior durabilidade. Ou seja, o saldo final é bastante positivo.

Por isso, se você ainda possui modelos de lâmpadas incandescentes na sua casa e/ou trabalho, já deve ter percebido que está gastando dinheiro à toa! Opte por um modelo mais econômico e verá a diferença!

NOTÍCIAS DO MOMENTO

Comentários